quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Capítulo Quatro

 Depois de seu banho na manhã seguinte, Joe ficou pronto para o trabalho. Usando sua calça caqui habitual e camisa esportiva, com uma alpargatas no pé, Joe desceu para procurar Demi. Caminhou até a cozinha e a encontrou no fogão fazendo ovos mexidos, enquanto falava ao telefone.
“Eu realmente o sinto, Sr. Diamond, eu simplesmente não posso.” Ela se virou e viu Joe. “Eu sei que saindo sem aviso prévio, mas certamente Larry disse a você o que aconteceu ontem.” Quando Joe aproximou-se dela, Demi levantou um dedo. “Eu o sinto que você sinta isto, Sr. Diamond, mas estou decidida. Estarei aí hoje para pegar minhas coisas.”
Demi desligou o telefone e colocou sobre o balcão. “Alguém não está muito feliz comigo neste momento.”
 Joe passou os braços em volta dela por detrás e beijou seu pescoço. “O que ele disse?” Joe não podia imaginar um empregador sendo insensível em uma situação como a de Demi.
Soou-lhe que Demi fez bem em se livrar do imbecil.
 Demi pegou espátula e começou a mexer os ovos novamente. “Está bravo porque eu estava no meio da atualização de todos os arquivos de marketing. Disse que eu estava realmente deixando-o na mão.” Demi desligou a chama e empurrou a panela para a parte detrás do fogão. “Está certo. Sou a única que sabe no que eu estava trabalhando.”
 Começou a dizer a Demi que Diamond podia ir se foder. O olhar no rosto dela o parou. Teve que recordar de comentário de Demi a noite passada. Ela queria trabalhar. Talvez eles pudessem chegar a um acordo.
 “Então pergunto se você pode trabalhar de casa. E por casa, quero dizer Gorge City. Talvez vocês possam trabalhar em algo em que você só tenha que ir ao escritório uma vez por semana ou algo assim. Pode usar o meu escritório. Tenho outro conectado a sala de exame, por isso não ficarei no seu caminho.”
Joe estava começando a ficar animado com a idéia Demi vivendo e trabalhando com ele na mesma casa. Girou Demi em seus braços e a beijou. “Pode redecorar como quiser. Se você vai passar muito tempo lá, quero que você esteja confortável.”
 Demi o abraçou mais apertado e deitou sua cabeça contra seu peito. “Parece a solução perfeita. Mas você tem certeza que não se importa de eu assumir o seu escritório?”
 Correndo suas mão de suas costas até o traseiro coberto com a saia, Joe apertou. “Sério? Está brincando? Podemos nos ver o tempo todo.” Joe ergueu o queixo de Demi e a beijou.
 Demi o beijou de volta e acenou para os ovos. “Coma seu café da manhã antes que esfrie. Vou subir e tomar um banho. E então eu vou conversar com Sr. Diamond.”
 Demi começou a sair, mas Joe a puxou de volta. “Você não pode ir sozinha, anjo. Chamarei Brody. O dois podem parar em sua casa para que você possa mudar fazer suas malas. Assim que Adam for preso, pode decidir o que fará com sua casa.”
 Demi se inclinou e divertida mordeu seu mamilo. “Certo. Você chama Brody e eu vou tomar um banho rápido.” Beijou seu nariz e subiu.
Uma hora mais tarde, Brody, Bel e Demi estavam a caminho de Colorado Springs. Demi segurou a mão de Bel. “Obrigado por isto, pessoal. Tenho que ser honesta e dizer que eu não estava esperando ansiosamente voltar em Colorado Springs.”
 Bel apertou sua mão. “Não tem problema. Pensei Brody e eu pensamos em fazer algumas compras enquanto você s encontra com seu chefe. Por esta razão que nós trouxemos o caminhão de Callum em vez do SUV do Brody.”
Bel olhou para ela e sorriu. “Então as coisas estão funcionando bem com o Joe, hein?” Corando, Demi sorriu. “Ele me pediu para casar com ele ontem a noite.”
 “O que!” O caminhão desviou quando Brody olhou Demi com uma expressão chocada em seu rosto. Brody olhou de volta para a estrada e respirou fundo quando Bel o acotovelou nas costelas.
 A reação do Brody com as notícias era exatamente o que a preocupava. Uma coisa era sabe que seu pai estava saindo com uma mulher com metade de sua idade, mas era bem diferente é saber que ele planeja casar com ela. Será que Brody pensava que Joe estava sendo desleal com Camilla?
 “Eu sinto. Eu não queria reagir desta maneira. Eu só pensei que meu pai não casaria novamente. Quer dizer, estou feliz por vocês dois. É que meu pai Papai ficou sozinho por tanto tempo.” Brody respirou fundo. “Estou piorando as coisa para mim, não estou?” Ele olhou para Bel acenando.
 Depois de sua explicação, Demi se sentia melhor. Possivelmente era o choque, e nada mais? Ela esperava que sim, porque ela não queria ficar entre pai e filho, mas ela lutaria com qualquer um pelo direito de amar Joe.
 Estendendo a mão por cima de Bel, Demi pôs uma mão no braço de Brody. “Tudo bem, Brody. Eu provavelmente deveria ter deixado Joe falar com você. Foi insensível de minha parte. Mas eu posso garantir a você que nós nos amamos e eu vou cuidar bem dele.” Não pensou em mais nada desde que Joe fez o pedido. Cuidar de seu novo marido seria um privilégio, e não um dever.
 “Eu sei que você vai e eu sinto muito pela forma que eu reagi. Callum e eu sabemos há muito tempo que meu pai estava interessado em você. Éstá escrito em seu rosto sempre que você entra na sala. Eu acho, que conhecendo como papai é antiquado, devíamos ter esperado que ele a pedisse em casamento.”
 Demi deu uma risada e colocou a mão em sua boca. Joe não era nada antiquado, pelo menos no quarto. Mas Demi não precisava compartilhar esta informação especial com seu filho de trinta e sete anos de idade. Demi decidiu mudar de assunto. “Então me diga o que vocês vão comprar?”
 Bel deu a Demi um sorriso diabólico. “OH, móveis, roupas de bebê e roupas de maternidade,” ela casualmente disse.
Demi estava chocada. “Está grávida?”
Fazendo gestos com a cabeça para Bel, Demi gritou. “OH Deus, eu não posso esperar que você conte ao Joe. Estou tão feliz por você.” Abraçou sua melhor amiga. “De quanto tempo você está?”
 “Não muito. Mais ou menos três meses. Todos nós decidimos manter isto para nós mesmos até tivéssemos certeza de ser seguro.” Bel esfregou seu estômago que continuava plano quando Brody acariciou sua coxa. “Então você vai ser uma vovó.” Bel olhou Brody e piscou.
 Não desejar seus próprios filhos não significava não gostar de crianças. Mimá-los, agora a idéia a divertia. “Não, eu não vou. Eu serei Mamãe Demi. Sou muito jovem para ser chamada de vovó.” Demi riu pensando nela mesma com um avental e óculos de vovó. “Mas eu serei a melhor Mamãe Demi que qualquer criança poderia ter.”
 Quando Demi terminou sua reunião com o Sr. Diamond, chamou Bel. “Olá, doçura, tudo terminado aqui.”
“Ótimo porque nós terminamos também. Espere até que você veja a mobília que Brody comprou. Devemos chegar em aproximadamente dez minutos.”
 “Certo. Esperarei você.” Demi desligou e deslizou seu telefone de volta em sua bolsa. Deu um suspiro de alívio que sua vida estivesse funcionando tão bem. O Sr. Diamond quase pulou com a chance de Demi continuar a trabalhar de casa. Especialmente quando ela disse a ele que ela queria trabalhar até vinte e nove horas por semana, deste modo eliminando seus benefícios. A companhia economizaria dinheiro e o trabalho ainda seria feito. Demi teria menos pressão em seus ombros e teria mais tempo para passar Joe.
Era um bom acerto para ambos os lados e ela se sentiu bem sobre isto.
 Saindo do elevador levando uma caixa grande de arquivos e seu laptop, Demi acenou a cabeça para o guarda costas. “Olá, Pete.” Demi levantou a caixa. “Só estou levando para casa alguns arquivos comigo.”
 O homem de idoso sorriu e abriu a porta da frente para ela. “Sim, Sra.Mills. o Sr. Diamond já me avisou que tudo bem a senhora levar os arquivos do edifício.”
Demi fez gestos de despedida para Pete e se sentou em cima da caixa na calçada. Quando ela olhou para cima, Adam estava há uns dois metros dela. Sua mão foi imediatamente para sua bochecha, recordando o último encontro teve com o Adam e o que ele disse antes de fugir.
 Ela virou-se para correr, mas Adam pegou um punhado de seu cabelo comprido. Quando ela foi puxada para trás, tropeçou encima da caixa no chão e caiu. Batendo sua cabeça contra a calçada, estava vagamente ciente de pneus cantando e uma parada brusca e vozes gritando ao seu redor. Demi viu Adam fugindo caiu na escuridão.
Depois de encontrar Demi, Brody e Annie no hospital, Joe levou Demi de volta para a casa dela. Odiava ficar na cidade com Adam ainda livre, mas a polícia garantiu que eles passariam pela casa de Demi regularmente. Em uma situação como esta, seu treinamento médico falou mais alto. A saúde de Demi estava em primeiro lugar para ele.
 “Pensei que poderia ser melhor para você ficar em uma cama onde você pudesse descansar. O hospital disse que eles liberariam você desde que eu pudesse garantir que você descansaria o resto do dia. Podemos ir para Gorge City pela manhã.” Joe parou na calçada em frente a pequena casa de Demi.
 Demi olhou para sua casa pelo pára-brisa e então para Joe. “E seus pacientes? E se algo acontece e alguém necessita de você?”
 Inclinando-se acima do console, Joe a beijou. “Alguém muito especial, precisa de mim. Você é a minha prioridade. A partir de agora até o dia que eu morrer.” Ele beijou-a novamente e abriu a porta do carro.
 Destrancando a casa, Demi olhou em volta. Joe podia ver as preocupações a assaltando. Beijou seu pescoço e abriu a porta. “A polícia disse que eles manteriam um oficial na área até que nós irmos de manhã. Vamos encontrar algo para jantar.”
 Joe seguiu Demi para a cozinha. Abriu o refrigerador e curvou-se para olhar dentro. “Não tem muito, tenho medo. Tenho uns bifes no congelador que eu posso descongelar.
Fora isso, parece que temos queijo cottage e maçã.” Demi olhou para cima e o pegou olhando fixamente para seu traseiro. Sorriu e se mexeu um pouco meneando os quadris.
 Joe gemeu. “Maldição, amo seu traseiro.” Correu suas mãos de alto e abaixo em suas nádegas.
 Dando um tapa em suas mãos, Demi se levantou. “E você certamente pode ter este traseiro em alguns minutos, mas eu estou morrendo de fome.”
 Suspirando, Joe fez uma última carícia em Demi. “Muito bem. Devo alimentar você, minha senhora.” Joe abriu o congelador e tirou os bifes. Bem que ele tentou, mas ele não podia tirar aquele doce traseiro fora de sua mente. “Eu posso ter seu traseiro, enquanto os bifes descongelam?”
 Demi revirou os olhos. “Só ponha os bifes no microondas.” Demi alcançou em cima do refrigerador e puxou uma garrafa de vinho tinto fora da prateleira de vinhos. Olhou para Joe ver. “Gosta deste vinho?”
 Ligando o microondas para descongelar, Joe levantou uma sobrancelha. “Eu não acho que o vinho seria bom para você, agora. Levou uma pancada forte na cabeça.”
“Quem disse algo sobre eu beber? Estava pensando que você gostaria de beber.” Joe riu, “Tentando me embebedar, Srta. Mills?”
“Mmm, talvez.” Demi puxou cabeça de Joe para baixo e o beijou.
Tirando a garrafa de vinho de sua mão, Joe deixou-a sobre a mesa. apoiou Demi contra o balcão no centro da cozinha e a ergueu para cima. “Você senta quietinha, enquanto eu preparo o jantar. Podemos discutir a sobremesa mais tarde.”
Quarenta minutos mais tarde, Demi deu Joe um prato para secar. “Então, conversou com o Brody hoje?” Demi queria dizer a ele que ia ser avô, ela mal podia se segurar. Mas ela prometeu a si mesma que iria deixar Brody ou Bel contar a ele.
 Joe secou o prato e guardou no armário. “Para falar a verdade não. Depois que ele chamou, acho que que eu quebrei todas as leis de trânsito em Colorado para chegar ao hospital. Depois que eu cheguei lá, você era minha preocupação principal.” Joe olhou para ela desconfiado. “Por que?”
Demi deu um copo de vinho. Pensando rápido, apresentou a desculpa perfeita
Para ele chamar ao Brody. “Bem, eu meio que deixei escapar sobre nós nos casarmos. Eu sinto. Assim que falei soube que era você quem tinha que contar para ele. Bel me perguntou como nós estávamos nos dando bem e acabou saindo.” Demi mordeu o lábio e olhou para ele através de seus cílios.
 Deixando o copo de vinho, Joe a puxou para seu abraço. “Você não fez nada errado. Eu não sinto, ele saber que nós vamos casar. Inferno, se ele vai ser meu padrinho de casamento, seria melhor eu falar com ele amanhã.”
 Joe correu seus dedos acima de sua bochecha machucada ainda e deu um beijo suave e lento. “Estive perto de perder você duas vezes agora. Duas vezes é muito. Sinto vontade de enrolar você em bolas de algodão e carregar você em meu bolso todos os dias só para ter certeza que você está segura.” Ele a beijou novamente.
 Demi se aqueceu com as palavras de Joe. Ele não era como os outros homens que ela namorou. Com a maioria dos alfas, abrir e compartilhar sentimentos e era um conceito estranho. Joe era diferente. Ele a amava e dizia a ela freqüentemente.
“O que você quer fazer esta noite?” Joe perguntou.
“Asistir um filme abraçados.” Ela piscou com um sorriso. “Eu tenho uma TV e DVD em meu quarto. Sorte nossa.” Ela o levou ao fim do corredor para seu quarto.


Continua...



7 comentários:

  1. AAAAAAAAAHHHHHHHH TO PIRANDOOOO
    POSTA MAIS ESTOU TÃO ANSIOSA!!! Feliz Ano :))

    ResponderExcluir
  2. Não vai mais postar? Ansiosa

    ResponderExcluir
  3. Menina não faz isso comigo, posta logooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  4. Não vai mais postar??

    ResponderExcluir

Me deixe feliz com o seu comentário, espero que tenham gostado... Kisses s2